Policial diz que sugeriu estuprar crianças para afastar amante

Acusado de lançar uma proposta  para dopar e estuprar as filhas de quatro e 14 anos da amante como prova de amor, um policial militar lotado no 14º Batalhão, na cidade de Sousa, no sertão paraibano, teria alegado em depoimento na Corregedoria da PM, que a sugestão  de violência sexual e pedofilia seria para se livrar da mulher que não o deixava em paz.

De acordo com o policial, que é casado e mora no  Ceará, o objetivo seria deixar a mulher com nojo, raiva e repúdio dele e assim  acabar o romance.

Após ser ouvido, o policial foi afastado de suas funções até o fim das investigações. Ele também foi ouvido na Delegacia da Mulher pela delegada Yvna Cordeiro e reforçou as declarações prestadas à Polícia Militar.

A delegada disse que o acusado passará por uma investigação social para saber se existe alguém próximo a ele que possa ter sofrido algum assédio o abuso sexual.

As crianças relatadas na conversa do WhatsApp também serão submetidas a  exames para averiguar se aconteceu algum violência  sexual contra elas.

A mulher está desaparecida e  é  procurada pela polícia para dar o seus esclarecimentos.

Roberto Targino – MaisPB

Notícias relacionadas