OUVIR  

Clube FM: (83)3531-4379  WHATSAPP 9.9999-2683

POLICIAL

Após discussão e perseguição pelas ruas de Cajazeiras, motorista atropela, arrasta e agride duas pessoas

Por Jocivan Pinheiro

15/10/2017 às 10h53 • atualizado em 15/10/2017 às 11h34

Moto que foi atingida pelo carro (Foto: Ângelo Lima)

 

Uma discussão que aconteceu em uma festa em Cajazeiras, na noite deste sábado (14), quase terminou em tragédia. Segundo a polícia, dois rapazes que estavam em uma moto foram atingidos por um carro propositalmente, arrastados pelo veículo e ainda teriam sido agredidos no chão pelo motorista. A colisão aconteceu na Avenida Francisco Matias Rolim, entrada da zona norte.

De acordo com relatos de testemunhas repassados à Polícia Militar, os envolvidos Jefferson Félix (idade não informada) e Ítalo Anderson, de 26 anos, teriam discutido em uma festa e ao saírem do local iniciaram uma perseguição pelas ruas, até que Jefferson, que estava de carro, atingiu a moto onde estava Ítalo e um amigo, identificado como Wirley Charles (idade não informada). A colisão aconteceu em frente a um bar e por pouco algumas pessoas que estavam na calçada não foram atingidas.

Carro que atingiu moto e arrastou as vítimas (Foto: Ângelo Lima)

Depois de bater na moto e derrubar os ocupantes, Jefferson teria arrastado eles com o carro por alguns metros e em seguida, ao sair do veículo, ainda os agrediu com chutes enquanto estavam no chão, precisando ser contido por um amigo. Outro carro e pelo menos três motos também foram atingidos. As vítimas foram socorridas pelo SAMU e levadas ao Hospital Regional de Cajazeiras (HRC), onde permaneceram internadas.

Jefferson Félix fugiu e ainda não foi localizado pela polícia. Se for confirmado que ele atropelou as vítimas com intenção de matar, poderá responder por dupla tentativa de homicídio.

Vítimas foram socorridas pelo SAMU (Foto: Ângelo Lima)

DIÁRIO DO SERTÃO

Bando fortemente armado toca terror em São José de Piranhas durante assalto a banco

 

Por Luzia de Sousa

16/10/2017 às 07h18 • atualizado em 16/10/2017 às 07h27

 

Um bando fortemente armado chegou atirando e causando terror na população de São José de Piranhas, no Sertão de Paraíba, durante a madrugada desta segunda-feira (16). O alvo do grupo era a agência do Banco do Brasil da cidade, que foi detonada por explosivos por volta de 1h. A informação do assalto a agência foi confirmada pelo Cabo Lucimar, da 3ª Companhia da Polícia Militar de São José de Piranhas.

Chegando ao local da agência, no centro do município, eles quebraram a porta de vidro e colocaram os explosivos nos caixas eletrônicos. Um popular gravou um vídeo de celular no momento que os assaltantes começaram a atirar antes das explosões à agência, onde é possível ouvir o barulho dos tiros.

 

Segundo informações chegadas a nossa reportagem, eles cercaram casas de policiais e ficaram espalhados pela cidade, inclusive, na frente da Companhia de Polícia Militar.
 

Antes de deixar a cidade, o bando incendiou dois carros nas proximidades da ponte que liga São José de Piranhas a Carrapateira. Eles espalharam grampos pelas rodovias que dão acesso a São José de Piranhas, impedindo a chegada de reforço policial.

Segundo a PM, na ação não houve vítimas, mas a população ficou aterrorizada com a ação dos bandidos na cidade.

Lucimar explicou que até o momento não tem mais detalhes da ação dos criminosos, pois a polícia continua em diligência na tentativa de localizar o bando.


.

DIÁRIO DO SERTÃO com fotos e vídeos do Whatsapp

PF e Receita fazem operações na PB e cinco estados contra tráfico

Polícia Federal, em conjunto com Receita Federal, cumpre 60 mandados de prisão em 6 estados nesta terça-feira (10) contra o tráfico internacional de cocaína por portos marítimos de Santa Catarina. As ações, batizadas de Oceano Branco e Contentor, fazem parte de investigações que já levaram à apreensão de 10 toneladas de drogas.

Cerca de 450 policiais federais e 25 servidores da Receita cumprem 104 mandados de busca e apreensão, 45 mandados de prisão preventiva, 15 de prisão temporária, 12 conduções coercitivas, sequestros de bens móveis e imóveis e bloqueio de contas bancárias em Santa Catarina, Rio Grande do Sul, São Paulo, Pernambuco, Paraíba e Rio de Janeiro.

De acordo com a PF, as quadrilhas atuam de forma parecida, colocando as drogas em contêineres com mercadorias lícitas a serem exportadas, geralmente, para países europeus.

Os suspeitos poderão ser indiciados pelos crimes de tráfico e associação ao tráfico internacional de entorpecentes, falsificação de documentos e uso de documentos falsos. As penas para cada evento de tráfico internacional podem chegar a 25 anos de prisão, além de 10 anos de reclusão por associação.

G1

PF faz operação contra esquema de merenda escolar e quentinhas no RJ

A Polícia Federal está nas ruas do Rio para cumprir 21 mandados de prisão temporária e mais de 30 de busca e apreensão, nesta sexta-feira (6), contra suspeitos de cometer irregularidades no fornecimento de quentinhas e de merenda escolar para escolas na Baixada Fluminense. Os agentes cumprem mandados no Rio, Niterói e Duque de Caxias.

Um dos mandados está sendo cumprido em um prédio na Avenida Lúcio Costa, Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, em frente à praia, onde mora o empresário Antônio Carlos Monteiro, dono da empresa Home Bread Indústria e Comércio, contratada para fornecer merenda escolar. Há pelo menos dois anos a empresa é investigada pelo Ministério Público Estadual e pelo Ministério Público Federal.

As acusações vão desde superfaturamento de merenda escolar a fraudes em licitações de fornecimento de quentinhas a presídios estaduais. Os agentes chegaram aos endereços dos suspeitos por volta das 6h. Cerca de 160 agentes participam da operação.

A Polícia Federal diz que há formação de cartel por parte de algumas empresas para desviar recursos públicos destinados à merenda escolar na Baixada Fluminense.

As investigações identificaram diversos procedimentos licitatórios viciados, com evidências de direcionamento dos certames, superfaturamento, corrupção, além da constatação de utilização de empresas constituídas em nome de “laranjas”, blindagem patrimonial e lavagem de dinheiro.

Os presos serão indiciados por formação de cartel, crime de licitações e corrupção ativa, dentre outros. Os presos serão levados para o sistema prisional do estado, onde permanecerão à disposição da Justiça.
 

G1

Homem diz que matou casal por ciúmes, mas polícia investiga tráfico de drogas

A Delegacia de Homicídios de Campina Grande apresentou, nessa terça-feira (03), o acusado de matar o casal Paulo Renato e Isabelle Alves no último dia 10 setembro, em um bar no Conjunto Severino Cabral/Bodocongó, em Campina Grande (PB).

O acusado se entregou nesta terça-feira e no depoimento afirmou que matou o casal por ciúmes. O homem ainda disse que não tinha intenção de matar a mulher, apenas o homem.

O outro envolvido, segundo a polícia, já foi identificado. Ele é o motoqueiro que pilotava a moto e levou o suspeito para praticar o assassinato. Ele segue foragido.

Para a polícia, o suspeito está mentindo. Os policiais acreditam que o motivo do duplo assassinato foi uma disputa pelo tráfico de drogas na região. 

O CASO

O casal de namorados foi assassinado em bar da Rua Isolda Barros Torquato, no Conjunto Severino Cabral, no Bairro Bodocongó. Segundo frequentadores do bar, o duplo homicídio aconteceu por volta das 20h00 do domingo (10/09).

Paulo Renato de Oliveira da Silva, de 27 anos, que morava nas Malvinas, foi assassinado com disparos na cabeça e no tórax. Já Isabelle Alves Messias Silva, de 21, que morava no Bairro Santa Rosa. foi morta com um disparo no pescoço. Ela tinha um filho de três anos, As investigações ficaram sob a responsabilidade da delegada Tatiana Barros e equipe. O casal se conhecia havia pouco tempo. 

Da Redação

///// ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Receba Novidades

Termos e Condições de Uso

SIGA NAS REDES SOCIAIS

   

FALE PARA SEUS AMIGOS QUE ESTÁ OUVINDO A FMCIDADE

Na FM 104,9 Agora!

Temos 45 visitantes e Nenhum membro online